23 / Fevereiro / 2019

Sábado

Diretor: José Tomaz Gomes | Editor: AECOPS

Notícias ver todas os artigos desta secção

Lançado concurso da primeira fase do “metrobus” do Mondego

04 de Fevereiro de 2019 às 10:21:55

tamanho da letra:

Notícias

O Primeiro-Ministro António Costa, acompanhado do ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, presidiu hoje, em Miranda do Corvo, ao lançamento do concurso para a empreitada no canal do antigo ramal ferroviário da Lousã, que foi desativado em janeiro de 2010.

O Sistema de Mobilidade do Mondego, que ligará os municípios de Coimbra, Miranda do Corvo e Lousã, servindo 14 milhões de passageiros por ano, foi, recorde-se aprovado em Conselho de Ministros no passado dia 31 de janeiro. Hoje, dia 4 de fevereiro, foi lançado o “Concurso para a Empreitada Metrobus - Alto De São João/Serpins”, no mesmo dia em que foi publicado em Diário da República, a Resolução do Conselho de Ministros n.º 25/2019, que aprova a implementação do Sistema de Mobilidade do Mondego pela Infraestruturas de Portugal e autoriza a respetiva despesa, no montante global de 85 milhões de euros, sendo o projeto cofinanciado por fundos europeus, na sequência da reprogramação dos fundos do Portugal 2020 concluída em dezembro de 2018.

Investimento total de 125 milhões

O Sistema de Mobilidade do Mondego prevê a instalação de autocarros elétricos (metrobus), subsituindo a ideia inicial de um metropolitano, entre Serpins (Lousã) e a estação de caminho-de-ferro Coimbra B, com uma linha urbana até ao Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, numa extensão total de 42 quilómetros e num investimento total estimado de 125 milhões de euros.
O concurso agora lançado para o arranjo do antigo canal ferroviário do troço suburbano, representa um investimento de 25 milhões de euros. A empreitada deverá estar concluída no prazo de 15 meses após a adjudicação, prevendo-se que o sistema de transportes comece a funcionar de forma faseada a partir de 2021.
Desde que o Ramal da Lousã foi encerrado, os utentes do antigo comboio passaram a ser transportados em autocarros de empresas privadas, ao abrigo de sucessivos concursos públicos que custaram à CP cerca de 10 milhões de euros.


 

Comentar

Iniciar Sessão

Nome de Utilizador

Palavra-chave

Se não tem conta,

Registe-se aquiEsqueceu-se da palavra-chave?

Comentar este artigo

Título

Texto

Os comentários deste site são publicados após aprovação, pelo pedimos que respeitem os nossos Termos de Utilização.
O seu IP não será divulgado, mas ficará registado na nossa base de dados.
Por favor, não submeta o seu comentário mais de uma vez.