24 / Setembro / 2019

Terça

Diretor: José Tomaz Gomes | Editor: AECOPS

Empresas ver todas os artigos desta secção

Mota-Engil concretiza emissão de obrigações no valor de 110 milhões de euros

26 de Novembro de 2018 às 14:15:20

tamanho da letra:

Empresas

A Mota-Engil anunciou os resultados da Oferta Pública de Subscrição (OPS) de Obrigações Taxa Fixa ME 2018/2022 (OPS) e da Oferta Pública de Troca (OPT) de obrigações Mota/Engil 2014/2019 e de “Obrigações Mota/Engil Julho 2015/Fevereiro 2020” (OPT) emitidas pela empresa, numa operação cuja subscrição decorreu entre 12 e 23 de novembro.

Na sede da Euronext, em Lisboa, ontem, “após a cerimónia tradicional de Closing Bell, foram apresentados os resultados da operação, os quais evidenciaram o sucesso da emissão obrigacionista, tendo a OPS alcançado um valor de 55.216.500€, o que demonstra a qualidade do produto financeiro proposto, com uma taxa nominal de 4,50%, e a confiança registada no emitente, na sua estratégia e na sua equipa de gestão”, informa a Mota- Engil em comunicado.
Relativamente ao resultado da Operação Pública de Troca (OPT) para os investidores que, detendo Obrigações Mota-Engil 2014 ou Obrigações Julho 2015/Fevereiro 2020, poderiam trocar pela nova emissão, refere-se que “esta opção mereceu um interesse muito relevante dos investidores num total de 54.783.500€.

Procura de 140 milhões, superior ao dobro do valor inicial da emissão

No seu conjunto, “a emissão de obrigações, com prazo de maturidade de 4 anos, cumpriu com todos os objetivos estabelecidos, permitindo ao Grupo Mota-Engil refinanciar a sua atividade, diversificando fontes de financiamento, otimizando o custo médio e alargar a maturidade da dívida, concretizando um valor total de 110 milhões de euros numa operação que teve como valor inicial 65 milhões de euros, mas que pela forte procura evidenciada logo na primeira semana, levou o emitente a aumentar o valor de forma substancial para acomodar o interesse do mercado. A procura mais do que duplicou sobre o valor inicial da emissão”, acrescenta-se no referido comunicado.
A operação contou com a Caixa BI, Haitong e Novo Banco, como coordenadores global, e com um sindicato de colocação muito alargado para a colocação, incluindo o Activo Bank, Banco Carregosa, Finantia, Banco Invest, Bankinter, Banco Best, Banco BIG, Caixa Geral de Depósitos, Haitong, Millennium BCP, Montepio Geral e Novo Banco, tendo como assessores jurídicos a sociedade Vieira de Almeida (VdA).

Comentar

Iniciar Sessão

Nome de Utilizador

Palavra-chave

Se não tem conta,

Registe-se aquiEsqueceu-se da palavra-chave?

Comentar este artigo

Título

Texto

Os comentários deste site são publicados após aprovação, pelo pedimos que respeitem os nossos Termos de Utilização.
O seu IP não será divulgado, mas ficará registado na nossa base de dados.
Por favor, não submeta o seu comentário mais de uma vez.