16 / Novembro / 2018

Sexta

Diretor: José Tomaz Gomes | Editor: AECOPS

Empresas ver todas os artigos desta secção

Ponte que liga o Senegal à Mauritânia com assinatura da GRID

10 de Julho de 2018 às 16:49:47

tamanho da letra:

Empresas

A GRID foi responsável pela conceção da Ponte do Rosso, que irá ligar no futuro próximo o Senegal à Mauritânia, incluindo as rseptivas vias de acesso.

A empresa de engenharia portuguesa, com 38 anos de existência e uma das empresas do projeto Portugal Steel da CMM, foi a vencedora do concurso internacional promovido pelo BAD – Banco Africano de Desenvolvimento, tendo assim ficado responsável “pela elaboração de todos os projetos/estudos (traçado, pavimentação, geotecnia, hidráulicos, ambiente, socioeconómicos e de estruturas) e ainda pela assessoria ao dono de obra na preparação da elaboração do processo de concurso conducente à construção da Ponte do Rosso, análise de propostas e acompanhamento técnico durante a execução da obra, incluindo a análise técnica dos estudos de execução da proposta vencedora”, informa-se em comunicado.
O processo de concurso para a execução dos trabalhos de construção da travessia sobre o rio Senegal irá ser despoletado ainda durante o ano de 2018, sendo que o prazo de construção previsto é de 40 meses.
A Ponte do Rosso insere-se no corredor transafricano (Tanger-Nouakchott-Dakar) e é uma infraestrutura de particular importância para a ligação e desenvolvimento das trocas comerciais não só entre a Mauritânia e o Senegal, como também, e fundamentalmente, com os países do Magreb, nomeadamente com Marrocos, onde esta ligação assume um papel fundamental em termos do desenvolvimento sustentado do Senegal no curto prazo.
Este projeto é financiado pelo BAD, BEI, Orçamento dos Estados do Senegal e Mauritânia, além duma subvenção da União Europeia. O custo estimado da construção deste projeto é de cerca de 90 milhões de euros.
O projeto, agora concluído, inclui a Ponte de Rosso e viadutos de acesso, com cerca de 1.500 m de comprimento total, assim como as vias de acesso nos dois países, praças fronteiriças e as ligações rodoviárias às vias existentes, num total de cerca de 9 km de extensão de rede rodoviária.
Para Rui Reis, membro da Comissão Executiva da GRID, “esta obra assume particular relevância para a nossa empresa, dado que vem consolidar a presença da GRID no mercado da África Oeste, confirmando assim a GRID West Africa como uma empresa de referência neste espaço geográfico”.

Comentar

Iniciar Sessão

Nome de Utilizador

Palavra-chave

Se não tem conta,

Registe-se aquiEsqueceu-se da palavra-chave?

Comentar este artigo

Título

Texto

Os comentários deste site são publicados após aprovação, pelo pedimos que respeitem os nossos Termos de Utilização.
O seu IP não será divulgado, mas ficará registado na nossa base de dados.
Por favor, não submeta o seu comentário mais de uma vez.