22 / Julho / 2017

Sábado

Diretor: José Tomaz Gomes | Editor: AECOPS

Empresas ver todas os artigos desta secção

Faturação da Garcia, Garcia cresce 95% em 2016

18 de Maio de 2017 às 12:09:29

tamanho da letra:

Empresas

A Garcia, Garcia registou em 2016 um volume de negócios superior a 43,8 milhões de euros o que traduz o melhor ano de sempre em termos de faturação para a empresa.

Uma tendência que a empresa, gerida pela quarta geração da família Garcia, tem conhecido desde 2010, em contraciclo com o Setor, que, na última década, sofreu quebras sucessivas.
Com o aumento na carteira de encomendas, sobretudo de projetos internacionais em Portugal, como a Eurocast, Eurostyle Systems, WEG, Uchyiama ou Wieland Thermal Solutions, a construtora fechou o ano com “resultados extraordinários”, afirma-se em comunicado.

“2015 foi um ano de consolidação e de preparação para o futuro. Trabalhámos projetos para os anos seguintes, potenciámos a nossa eficiência operacional e reforçámos a nossa capacidade de resposta. Como resultado desse processo, 2016 arrancou de forma extraordinária e acabou por ser o melhor ano de sempre para a Garcia, Garcia”, afirma Carlos Garcia, administrador da empresa.
Para além do crescimento evidenciado, “a empresa foi mais uma vez capaz de apresentar resultados operacionais sustentados, mantendo o forte investimento no seu capital humano, práticas e modelos de trabalho”, acrescenta.
A especialização na área industrial e logística garantiu à Garcia, Garcia o reconhecimento como parceiro seguro por parte de empresas nacionais e internacionais que investem em Portugal. “Desenvolvemos importantes projetos, captámos novos clientes, nacionais e internacionais e reforçámos parcerias com clientes de longa data”, recorda o administrador da empresa.
Apesar do setor da construção industrial e logística continuar a ser o mais representativo, o que se encontra alinhado com o core business da Garcia, Garcia, em 2016 destaca-se a reabilitação do edifício que, em pleno Centro Histórico do Porto (rua Sá da Bandeira), acolhe a primeira loja da icónica Leica na Península Ibérica, assim como alguns importantes projetos imobiliários.
“O nosso Core Business vai continuar a ser o nosso motor, não obstante ser nossa convicção que podemos reforçar o peso de outras áreas, como a reabilitação urbana e a construção residencial, nas quais acreditamos existir um forte potencial para explorar”, refere Carlos Garcia.

Comentar

Iniciar Sessão

Nome de Utilizador

Palavra-chave

Se não tem conta,

Registe-se aquiEsqueceu-se da palavra-chave?

Comentar este artigo

Título

Texto

Os comentários deste site são publicados após aprovação, pelo pedimos que respeitem os nossos Termos de Utilização.
O seu IP não será divulgado, mas ficará registado na nossa base de dados.
Por favor, não submeta o seu comentário mais de uma vez.