21 / Junho / 2018

Quinta

Diretor: José Tomaz Gomes | Editor: AECOPS

Empresas ver todas os artigos desta secção

Quadrante e Mota-Engil vão reconstruir estradas alagadas em Moçambique

21 de Abril de 2017 às 11:09:23

tamanho da letra:

Empresas

Duas empresas portuguesas, designadamente o Grupo Quadrante, em parceria com a Mota-Engil, Engenharia e Construção África, vão ter a seu cargo o projeto de reabilitação das estradas R890 Guijá/Chókwè e R448 Chókwè/Macarretane, correspondente ao Pacote 3 de um conjunto de projetos financiados pelo Banco Mundial, com vista à reabilitação das estradas afetadas pelas cheias do Rio Limpopo na zona sul da Província de Gaza, em Moçambique.

Para este projeto, que tem como dono de obra a Administração Nacional de Estradas e em que a fiscalização é assegurada pelo Banco Mundial, foi definido um contrato OPRC (Output and Performance based Road Contract), que tem associado um período de 18 meses para realização dos trabalhos, incluindo projeto e obra de reabilitação, e um período de manutenção de 12 meses.
Em comunicado, o Grupo Quadrante informa que as duas estradas, com uma extensão global de cerca de 29 km, têm trechos de atravessamento do Vale do Limpopo onde as cheias tiveram grande impacto, destruindo total ou parcialmente as estruturas de pavimento e os aterros.
Pela exigência do contrato e das condições locais, o projeto será orientado no sentido de dotar estas vias de uma capacidade de resiliência, que lhes permita resistir a fenómenos extremos, mantendo as suas condições estruturais e operacionais. Neste contexto, “estão previstas soluções especiais para a proteção dos aterros, assim como a construção de passagens hidráulicas de grande secção, que se destacam como os aspetos mais relevantes desta obra”, explica-se no referido comunicado.
Para Tiago Costa, administrador da Quadrante e responsável pela Área de Transportes, “o desafio deste projeto está não só relacionado com o objetivo de reconstrução de áreas devastadas por acontecimentos naturais, mas também com a criação de infraestruturas particularmente resistentes aos fenómenos característicos da região, o que nos permite colocar as nossas melhores capacidades técnicas ao serviço do bem-estar da população”.

Comentar

Iniciar Sessão

Nome de Utilizador

Palavra-chave

Se não tem conta,

Registe-se aquiEsqueceu-se da palavra-chave?

Comentar este artigo

Título

Texto

Os comentários deste site são publicados após aprovação, pelo pedimos que respeitem os nossos Termos de Utilização.
O seu IP não será divulgado, mas ficará registado na nossa base de dados.
Por favor, não submeta o seu comentário mais de uma vez.