19 / Agosto / 2022

Sexta

Diretor: José Tomaz Gomes | Editor: AECOPS

Notícias ver todas os artigos desta secção

NOVA aposta em projeto de “cidade global” avaliado em 800 milhões de euros

17 de Março de 2021 às 10:40:39

tamanho da letra:

Notícias

A Universidade NOVA de Lisboa, em conjunto com um grupo de proprietários da zona do Monte da Caparica e de Porto Brandão, lançou hoje o Innovation District, um projeto que visa a criação de uma nova cidade global, em Almada, e que almeja conjugar um estilo de vida único e sustentável numa nova geografia de inovação e de conhecimento tecnológico.

O Innovation District trará uma nova centralidade à região da grande Lisboa e irá permitir a criação de 17.000 novos postos de trabalho, estando o investimento global para a sua implementação estimado em mais de 800 milhões de euros, contribuindo assim para a recuperação económica pós-pandemia.
Os primeiros passos do projeto, que conta com o apoio estratégico da Câmara Municipal de Almada, começaram a ser dados em 2019. Intervindo nas zonas do Monte da Caparica e de Porto Brandão, “que se distinguem pelo seu potencial de conhecimento inovador, pela paisagem e pelas condições naturais únicas, o Innovation District irá proporcionar a criação de uma nova cidade, moderna e requalificada, que será um lugar de vanguarda de ideias e de inovações, atraindo empresas – nacionais e internacionais – e pessoas”, afirma-se em comunicado. O projeto envolve um conjunto de proprietários e investidores que se mostraram interessados no seu potencial, entre os quais se destacam a Cordialequation, a Rustik Puzzle, a SOSTATE, a Empresa Maia e Pereira, a Cooperativa de Ensino Superior Egas Moniz, a Emerging Ocean, a Rio Capital, a Orbisribalta e a Fundação Serra Henriques.

O projeto em números 

O Innovation District integra uma área total de 399 hectares de intervenção, dos quais 110 são zonas verdes. 
Entre os principais números que definem a sua dimensão contam-se a chegada de 4.500 novos habitantes à nova cidade, a criação de 1.000 novos fogos habitacionais, uma área de 250.000 m2 para a implementação de novas atividades económicas que irão contribuir para a criação de 17.000 novos postos de trabalho e, ainda, 86.000 m2 de infraestruturas turísticas. 
Para a sua implementação está estimado um investimento de mais de 800 milhões de euros, excluindo os investimentos que serão feitos em acessibilidade e infraestruturas públicas e de que são exemplos a reabilitação pública de Porto Brandão e a extensão do Metro Sul do Tejo até à Costa da Caparica.  

Uma nova centralidade à volta do Conhecimento

Com base no conceito Live-work-play, o Innovation District será “uma cidade única e plural, desenhada para elevar a qualidade de vida de cada um dos seus habitantes. Uma cidade assente em quatro grandes objetivos que, articulados, permitem harmonizar diversas áreas (ambiental, social e económica) num espaço único, onde os diversos pontos de atração estarão a uma curta distância de 15 minutos”, adianta-se no referido comunicado.
Tendo como ponto central o Campus da NOVA School of Science and Technology | FCT Nova, o Innovation District pretende ser “uma nova centralidade que coloca o conhecimento, o talento qualificado e a inovação como motor de desenvolvimento e transformação urbana. Pretende ainda tornar-se, enquanto espaço de inovação, atrativo para empresas e pessoas, contribuindo para promover o desenvolvimento da Área Metropolitana de Lisboa e alavancando o seu potencial de internacionalização. Por último, é um projeto focado em criar uma comunidade criativa, diversificada, energética e sustentável, inspirada por uma melhor qualidade de vida”, prossegue-se dizendo no mesmo documento.
“O principal ativo para triunfar na economia do conhecimento são as pessoas: o seu talento e as redes que estabelecem entre si. É esta a génese do Innovation District”, refere José Ferreira Machado, vice-reitor da Universidade NOVA de Lisboa. “Mas as pessoas precisam de sítios para viver e para interagir: lugares onde possam residir, trabalhar, conversar e usufruir dos seus tempos livres, ou seja, precisam de cidades como aquela que irá nascer em Almada e que irá reforçar a internacionalização da região da grande Lisboa”, acrescenta. 

Cidade  ancorada na sustentabilidade e neutralidade carbónica 

Se, por um lado, o projeto visa promover um novo destino, aproveitando as características diferenciadoras desta zona geográfica, nomeadamente a proximidade às praias e à natureza, há, por outro lado, a preocupação ambiental em desenvolver uma nova cidade sustentável, ancorada nos objetivos definidos pelo desenvolvimento sustentável até 2030 e pela neutralidade carbónica em 2050, integrando assim um conjunto de soluções ambientais inovadoras. O Innovation District visa, entre outros objetivos ambientais, criar uma comunidade energética com produção própria, sustentável e neutra em carbono, estruturar o desenvolvimento urbano em torno dos parques verdes, introduzir modos de mobilidade suave e integrar, também, métodos e soluções construtivas ecológicas e sustentáveis. 

Almada, um pólo de inovação em franco crescimento

A região de Almada reúne os fatores essenciais de sucesso para o desenvolvimento e implementação do Innovation District, dizem os promotores do projeto . É um município de expansão natural da grande Lisboa, caracterizado por uma população jovem e com uma base económica que permite maior crescimento e especialização, podendo, por isso, afirmar-se como uma alternativa qualificada e complementar de emprego e habitação à cidade de Lisboa. O município de Almada proporciona, também, um estilo de vida único no contexto local e global dadas as suas características naturais e paisagísticas, entre as quais a extensa linha de costa e a frente ribeirinha sul.
“A competitividade e internacionalização do projeto Innovation District permitirá beneficiar da notoriedade que representa a cidade de Lisboa enquanto destino internacional, aumentando assim a projeção, a visibilidade e a competitividade da cidade de Almada e destacando, ao mesmo tempo, a sua localização ímpar, o custo de vida acessível, a qualidade do ensino e a rede de infraestruturas. A internacionalização será concretizada através da atração de talento e do desenvolvimento de um cluster de ciência e inovação que irá atrair diversas empresas, nacionais e internacionais, estabelecendo uma rede eficaz de interação e colaboração”, conclui-se no comunicado. 

Comentar

Iniciar Sessão

Nome de Utilizador

Palavra-chave

Se não tem conta,

Registe-se aquiEsqueceu-se da palavra-chave?

Comentar este artigo

Título

Texto

Os comentários deste site são publicados após aprovação, pelo pedimos que respeitem os nossos Termos de Utilização.
O seu IP não será divulgado, mas ficará registado na nossa base de dados.
Por favor, não submeta o seu comentário mais de uma vez.