20 / Novembro / 2019

Quarta

Diretor: José Tomaz Gomes | Editor: AECOPS

Notícias ver todas os artigos desta secção

Rendas das casas abrandam crescimento em Lisboa e Porto

04 de Novembro de 2019 às 10:51:09

tamanho da letra:

Notícias

O 2º trimestre de 2019 confirmou a tendência de arrefecimento na subida das rendas das casas em Lisboa e Porto, com ambas as situações a registarem aumentos abaixo da média nacional.

De acordo Índice de Rendas Residenciais da Confidencial Imobiliário, apurado a partir dos valores dos novos contratos de arrendamento celebrados, em Lisboa, as rendas aumentaram 5,6% em termos homólogos no 2º trimestre, depois de se manterem praticamente inalteradas em termos trimestrais (0,2%). É preciso recuar ao 3º trimestre de 2014 para encontrar uma variação mais baixa (2,6%), confirmando-se assim o ciclo de sucessivas travagens das subidas ao longo do último ano. Após a subida de 21,9% registada no 2º trimestre de 2017 (a qual foi o exponente máximo do ciclo de recuperação iniciado em finais de 2013, após a queda de 19% no período da a crise), o aumento anual das rendas na capital ainda se manteve em torno dos 20% até início de 2018, mas começou a abrandar a partir daí, passando de uma variação homóloga de 17% no 2º trimestre de 2018 para a agora registada.
No Porto, a variação homóloga no 2º trimestre de 2019 foi de 9,7%, a mais baixa dos últimos dois anos. Também em termos trimestrais, a subida de 1,7% exibe um arrefecimento. Neste mercado, a variação máxima foi atingida no 3º trimestre de 2018, com uma subida homóloga de 23,1%, culminando o percurso de intensificação das subidas sentido desde meados de 2017. No final de 2018, o crescimento das rendas recuou já para 18,9%, passando para 13,5% no trimestre seguinte e atingindo agora o patamar abaixo dos 10%. 
Em Portugal, as rendas das casas subiram 10,8% em termos homólogos no período em análise, mantendo o ritmo médio de crescimento verificado nos dois últimos anos (de 11%). A variação trimestral foi de 2,7%, igualmente em linha com a subida média de 2,8% registada desde o 2º trimestre de 2017.  
“Estes resultados sugerem um comportamento semelhante ao dos preços de venda, cujas subidas mais recentes no agregado do país parecem agora ser impulsionadas pelos mercados periféricos e não por Lisboa e Porto. Os dados disponíveis não sinalizam um aumento da oferta que, por sua vez, estivesse a pressionar as rendas para baixo, sendo este ciclo de estabilização o culminar de um processo de crescimento muito forte registado até agora e que, naturalmente, não poderia prosseguir indefinidamente”, comenta sobre os resultados apurados Ricardo Guimarães, diretor da Confidencial Imobiliário. 

Comentar

Iniciar Sessão

Nome de Utilizador

Palavra-chave

Se não tem conta,

Registe-se aquiEsqueceu-se da palavra-chave?

Comentar este artigo

Título

Texto

Os comentários deste site são publicados após aprovação, pelo pedimos que respeitem os nossos Termos de Utilização.
O seu IP não será divulgado, mas ficará registado na nossa base de dados.
Por favor, não submeta o seu comentário mais de uma vez.