16 / Junho / 2019

Domingo

Diretor: José Tomaz Gomes | Editor: AECOPS

Notícias ver todas os artigos desta secção

Escritórios acima dos 1.000 m2 representaram 26% das operações de ocupação em 2018

24 de Janeiro de 2019 às 17:14:16

tamanho da letra:

Notícias

A atividade ocupacional de escritórios encerrou 2018 com 206.428 m2 tomados, um volume que representa um crescimento de 24% face aos perto de 167.000 m2 ocupados em 2017 e um máximo nos últimos 10 anos, revela o mais recente relatório mensal da JLL sobre este setor, o Office Flashpoint.

Esta área concentrou-se em 229 operações concretizadas ao longo do ano, das quais 26% (ou seja, 60 negócios) dizem respeito a áreas superiores a 1.000 m2 (bastante mais que o peso de 15% que assumiram no ano anterior), comprovando o crescente apetite por escritórios de maior dimensão, sublinha o documento da consultora que terá sido responsável pela colocação de 30% da área transacionada no acumulado do ano.
Esta tendência foi também evidente no aumento da área média de transação, que em 2018 ascendeu a 900 m2, comparando com os cerca de 670 m2 que em média as empresas ocuparam em 2017.
Entre os principais motores para esta procura de áreas de maior dimensão estão “a vinda de multinacionais para a instalação de centros de inovação, tecnológicos ou de serviços partilhados, assim como a proliferação de espaços de co-working” explica Mariana Rosa, diretora da Office Agency e Corporate Solutions da JLL, que acrescenta ainda que “a atividade de 2018 só não supera o recorde histórico de mercado, atingido em 2008, por falta de oferta adequada aos principais requisitos da procura atual, nomeadamente a preferência por espaços modernos, de grande dimensão por piso, em zonas centrais e/ou próximas de transportes públicos”.
De acordo com o Office Flashpoint de dezembro, as empresas de TMT’s & Utilities foram as mais ativas ao longo do ano (33% do take up), seguidas pelas empresas de Serviços a Empresas (28%). Os principais destinos da procura foram a Zona 6 - Corredor Oeste (27%), onde o stock disponível é atualmente aquele que reúne alguns dos requisitos exigidos pelas empresas, seguido da Zona 3 - Novas Zonas de Escritórios, com 18% da ocupação, da Zona 1 - Prime CBD e da Zona 2 - CBD, ambas com 16% cada.
No desempenho mensal, o mercado abrandou. Em dezembro foram tomados 15.323 m2, um decréscimo face a novembro (-41%), mas superior a dezembro de 2017 (+27%). No total, foram concluídas 25 operações neste mês, com uma área média de 613 m2. As empresas na área de TMT’s & Utilities foram igualmente as mais dinâmicas no mês (32%), embora também Serviços a Empresas tenha estado ativa (22%). Já em termos geográficos, a Zona 2 foi a mais ativa (33%), seguida de perto pelas Zonas 7 (25%) e Zona 1 (18%). Registaram-se cinco operações acima dos 1.000 m2 em dezembro, incluindo as expansões de área de LEAP, na zona das Docas de Alcântara, e da Talkdesk, nas Amoreiras.

Comentar

Iniciar Sessão

Nome de Utilizador

Palavra-chave

Se não tem conta,

Registe-se aquiEsqueceu-se da palavra-chave?

Comentar este artigo

Título

Texto

Os comentários deste site são publicados após aprovação, pelo pedimos que respeitem os nossos Termos de Utilização.
O seu IP não será divulgado, mas ficará registado na nossa base de dados.
Por favor, não submeta o seu comentário mais de uma vez.