16 / Dezembro / 2018

Domingo

Diretor: José Tomaz Gomes | Editor: AECOPS

Notícias ver todas os artigos desta secção

Trabalhadores portugueses da Construção respeitam hábitos de Segurança e Saúde

19 de Setembro de 2018 às 12:15:02

tamanho da letra:

Notícias

Os profissionais do setor da Construção em Portugal estão aten-tos às regras e hábitos de segurança e saúde no local de trabalho.

A conclusão decorre de um inquérito realizado pela AECOPS, Associação de Empresas de Construção, Obras Públicas e Serviços, juntamente com a Bosch Ferramentas Elétricas Profissionais, aos profissionais do Setor, com o intuito de conhecerem quais os hábitos de segurança e saúde no local de trabalho+, nomeadamente em estaleiros de obra.
O questionário, dirigido às empresas associadas da AECOPS, contou com a participação de uma centena de profissionais e veio revelar que os profissionais do setor da Construção em Portugal estão atentos às regras e hábitos de segurança e saúde no local de trabalho. A nível internacional, a Bosch Ferramentas Elétricas Profissionais inquiriu também uma centena de profissionais em diversos países: Espanha, Itália, Suécia, Reino Unido, França e Benelux (Bélgica, Países Baixos e Luxembur-go).

Cumprir normas reduz necessidades de interrupção do trabalho

Quando questionados sobre o tempo dedicado diariamente para cumprir as normas de segurança e saúde no seu local de trabalho, nomeadamente em estaleiros de obra, a maioria dos inquiridos portugueses, 57,8%, revelam que dedicam cerca de 20 ou mais minutos a estes procedimentos, ao passo que 36,7% dedicam entre 5 a 10 minutos da sua atenção a estas questões.
A nível internacional, Espanha é o país mais próximo da percentagem portuguesa, com 43,3% dos profissionais a dedicarem cerca de 20 ou mais minutos a estes procedimentos. Benelux conta com 30,4%, França com 27,7%, Reino Unido com 25,7%, Suécia com 16% e Itália com15%.
Apenas 5,5% dos profissionais em Portugal admitem não atribuir tempo algum a estes procedimentos, algo que também acontece em Espanha (2,9%), Benelux (8,8%) e Reino Unido (9,9%). Itália, França e Suécia apresentam uma elevada taxa de profissionais a não dedicar tempo algum a procedimentos de segurança e saúde no trabalho, com 14%, 17,8 e 21,7%, respe-tivamente.
Neste seguimento, 56,3% dos profissionais indicam que raramente existem interrupções do seu trabalho devido a fatores relacionados com o correto cumprimento de normas de segurança e saúde, demonstrando que os procedimentos estão na sua maioria já implementados e que os mesmos são respeitados de forma regular na sua jornada de trabalho. Portugal é um dos países com a percentagem mais elevada neste tópico, encontrando-se, no entanto, alinhado com a tendência global: Suécia (61,3%), Espanha (52,9%), França (53,5%), Itália (43%), Benelux (43,1%), Reino Unido (36,6%).

Capacete e proteções auditivas e contra pó consideradas prioritárias

No que diz respeito às formas de proteção que os profissionais consideram mais importantes no seu trabalho, incluindo em estaleiro de obras, 58,9% dos profissionais portuguese elegeram todas as opções de proteção apresentadas, tal como os espanhóis (30,8%), como importantes: proteção contra vibrações; proteção contra pó; proteção auditiva; óculos; capacete e sistemas de segurança integrados nas ferramentas elétricas, como desligar automaticamente o motor em caso de bloqueio súbito do acessório. Uma vez que esta questão permitia várias respostas, os profissionais portugueses destacaram, em particular, algumas formas de proteção, nomeadamente: o uso de capacete (40,3%), proteção auditiva (29,5%) e proteção contra pó (27,9%). Nos outros países, os profissionais do Setor destacaram a proteção contra pó (Itália 19,4%; França 18,7%), o uso de proteção auditiva (Suécia 24,6%) e o uso de óculos (Espanha 20,9%; Reino Unido 20,5%; Benelux 20%).

Relativamente às tarefas realizadas no local de trabalho, em que os profissionais consideram ser mais importante o uso de proteções, mais de metade dos inquiridos portugueses, 58,6%, indicou que é a rebarbar metal que não se deve prescindir da proteção adequada. Este é também o entendimento dos profissionais italianos (40,2%), suecos (40,6%), do Reino Unido (46,5%) e da região Benelux (54,9%).
Perfurar cimento (10,2%) e serrar madeira (7,8 %) também são vistas pelos profissionais portugueses como tarefas em que a proteção é fundamental. Para os profissionais de Espanha, 40,4%, e França, 39,6%, a aplicação serrar madeira é a que exige maior atenção no uso de proteções.
Numa perspetiva a longo prazo, os profissionais foram ainda questionados sobre a forma como se protegem contra lesões e riscos inerentes à sua saúde: 59,5% dos profissionais portugueses indicam que o uso de equipamentos de proteção pessoal, como por exemplo, proteções auditivas, é uma forma de prevenção a longo prazo. O mesmo entendimento têm os profissionais de todos os outros países visados: Espanha (43,9%), Itália (40,6%), Suécia (50,5%), Reino Unido (39,2%), França 42,3% e Benelux 47,2%.

Ferramentas com sistemas de segurança integrados cada vez mais valorizados

Em Portugal, 27% destacam o uso de ferramentas com sistemas de segurança integrados, nomeadamente, com punhos anti vibração ou a ferramenta desligar automaticamente o motor em caso de bloqueio súbito do acessório. Esta é também uma das caraterísticas mais valorizadas pelos profissionais em Espanha 32,9%, Itália 31,5%, Suécia 27,2%, Reino Unido 29,9%, França 28,6%, e Benelux 28,8%.
Já focados nas ferramentas elétricas profissionais, os profissionais foram questionados sobre a sua segurança e proteção da saúde, tendo destacado a importância da existência de sistemas de segurança integrados a nível de anti vibração, diminuição do ruído, redução de exposição ao pó e também no bloqueio da ferramenta em caso de algum bloqueio inesperado nos materiais em que se está a trabalhar, entre outras formas de proteção.
Para John Madden, Regional Brand Manager da Bosch para a área de Ferramentas Elétricas Profissionais para Portugal e Espanha, “os sinais dados por este pequeno inquérito demonstram que os hábitos de segurança e saúde são já parte integrante da vida dos profissionais. Para além da atenção dedicada diariamente às normas de segurança e saúde, sente-se um reconhecimento por parte dos profissionais de que a indústria, como é o caso das ferramentas elétricas, tem um papel ativo na definição dos padrões de segurança e é um aliado para a sua proteção do dia-a-dia. Estas conclusões são-nos também transmitidas no terreno, diretamente pelos profissionais, num claro paradigma de que nunca a segurança do profissional foi tão valorizada. Este é o caminho certo para tornar o trabalho na Construção cada vez mais qualitativo e seguro”.
A Bosch Ferramentas Elétricas tem investido no seu vasto programa dedicado à segurança e proteção, “PROtection”, apresentando, entre outras, inovações como: o sistema de travão magnético das rebarbadoras, que reduz o tempo de travagem em até 70%; o "Protection Switch", interruptor de homem morto, que garante que a rebarbadora só funciona se o interruptor for ativado; o sistema Vibration Control ou punhos amortecidos contra vibrações; o KickBack Control, em que, se o sensor integrado detetar um bloqueio súbito durante o processo de trabalho – por exemplo, se a broca prender –, o motor desliga numa fração de segundo.


 

Comentar

Iniciar Sessão

Nome de Utilizador

Palavra-chave

Se não tem conta,

Registe-se aquiEsqueceu-se da palavra-chave?

Comentar este artigo

Título

Texto

Os comentários deste site são publicados após aprovação, pelo pedimos que respeitem os nossos Termos de Utilização.
O seu IP não será divulgado, mas ficará registado na nossa base de dados.
Por favor, não submeta o seu comentário mais de uma vez.