16 / Novembro / 2018

Sexta

Diretor: José Tomaz Gomes | Editor: AECOPS

Notícias ver todas os artigos desta secção

Livro de reclamações eletrónico com período de adaptação de um ano

21 de Junho de 2018 às 18:40:22

tamanho da letra:

Notícias

Os operadores económicos vão dispor de um período de um ano, entre 1 de julho de 2018 e 1 de julho de 2019, para se adaptarem ao formato eletrónico do livro de reclamações.

A informação foi comunicada à AECOPS pela Direção-Geral do Consumidor (DGC). “Considerando o elevado número de operadores económicos e a diversidade de atividades económicas envolvidas, o relatório intercalar da Direção-Geral do Consumidor sobre a implementação do Livro de Reclamações Eletrónico concluiu que para garantir a correta adaptação ao novo formato, a 2ª fase  deverá decorrer entre 1 de julho de 2018 e 1 de julho de 2019”, lê-se na comunicação da DGC.

 

IMPIC vai determinar calendarização para registo das empresas do Setor

 

A DGC esclarece ainda que os operadores económicos fiscalizados pela ASAE-Autoridade de Segurança Alimentar e Económica, “dispõem, a partir do próximo dia 2 de julho, no sítio da internet www.livroreclamacoes.pt, de uma área específica, onde poderão (…) registar-se, sendo-lhe atribuído, a título gratuito, um lote de 25 reclamações eletrónicas.”
No entanto, e segundo consta do site da DGC, “as atividades reguladas e respetivos operadores económicos serão integradas no Livro de Reclamações no formato eletrónico, de acordo com uma calendarização acordada com a respetiva Entidade Reguladora”.
Sobre este ponto, na comunicação enviada pela DGC à AECOPS refere-se igualmente que “cada entidade reguladora, em momento oportuno, determinará o processo mais adequado para o registo dos seus operadores económicos regulados”, o que motivou já a Associação a endereçar ao IMPIC um pedido de esclarecimentos sobre este processo. Recorde-se que o setor da Construção é uma atividade regulada, sendo o seu organismo regulador o IMPIC. 
O livro de reclamações em formato eletrónico, recorde-se, foi criado pelo Decreto-Lei n.º 74/2017, de 21 de junho, que alterou e republicou o Decreto-Lei n.º 156/2005, de 15 de setembro, que estabelece o Regime Jurídico do Livro de Reclamações.
Este novo formato eletrónico entrou em vigor no dia 1 de julho de 2017 sendo, na 1ª fase, aplicável apenas aos serviços públicos essenciais (água, eletricidade, gás, comunicações eletrónicas e serviços postais).
Nos termos do Decreto-Lei n.º 74/2017, no próximo dia 1 de julho de 2018 iniciar-se-á a disponibilização do livro de reclamações eletrónico para as demais atividades económicas, desencadeando assim a 2ª fase de implementação da ferramenta.


 

Comentar

Iniciar Sessão

Nome de Utilizador

Palavra-chave

Se não tem conta,

Registe-se aquiEsqueceu-se da palavra-chave?

Comentar este artigo

Título

Texto

Os comentários deste site são publicados após aprovação, pelo pedimos que respeitem os nossos Termos de Utilização.
O seu IP não será divulgado, mas ficará registado na nossa base de dados.
Por favor, não submeta o seu comentário mais de uma vez.