19 / Julho / 2018

Quinta

Diretor: José Tomaz Gomes | Editor: AECOPS

Notícias ver todas os artigos desta secção

2017 foi um ano de franca expansão para as obras públicas

03 de Abril de 2018 às 12:19:59

tamanho da letra:

Notícias

Mercado em franca expansão face a 2016, com crescimentos assinaláveis no valor total dos contratos celebrados, no número de obras, nas entidades contratantes e nas empresas que vão realizar as obras, as quais, em média, são de valor superior às do ano anterior, eis o retrato do mercado das Obras Públicas em 2017.

Em 2017 foram contratadas obras públicas no montante de 1,8 mil milhões de euros, o que traduz um crescimento de 56% face ao ano de 2016 e confirma a tendência de expansão do investimento que se iniciou nesse ano. No mesmo período, registou-se igualmente um crescimento invulgar nos concursos de obras públicas lançados, nomeadamente, na ordem dos 33% em número e dos 63% em valor.
A estes resultados, apurados pela AECOPS após análise à informação divulgada pelo portal BASE e publicada sob o título “Os números do Mercado de Obras Públicas em 2017”, somam-se outros igualmente favoráveis, como é o caso da expansão do número de entidades promotoras de concursos, que subiu 26%, e no valor médio dos concursos, que atingiu os 885 mil euros, refletindo um crescimento de 23% face a 2016.
Também o número de donos de obra com contratos de obras públicas aumentou no ano em análises, tendo passado de 990 em 2016, para 1.115 em 2017, assim como cresceu o número de empresas com obras contratadas, que totalizaram 3.808 em 2017 face a 3.269 em 2016, tal como o valor médio contratado por empresa, que aumentou 120 mil euros entre 2016 e 2017.
De salientar ainda que 2017 foi o melhor dos últimos 5 anos no que se refere ao número médio de contratos celebrados por empresa, o qual se cifrou em 3,8.

Investimento cresceu em quase todas as regiões

Por regiões, Lisboa foi o distrito com mais investimento contratado (308,6 milhões de euros), enquanto Évora foi o que registou o maior aumento no valor do investimento público (de 6,2 milhões para 7 milhões de euros), devido em parte à empreitada de Construção do Reforço de Potência da Estação Elevatória dos Álamos do Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva. Ao todo, 17 regiões do País viram subir o investimento público que lhes foi dirigido, sendo que em sete dessas regiões o volume mais que duplicou relativamente a 2016. Apenas três distritos sofreram uma redução no montante de investimento público que lhes foi dirigido: Leiria, Viana do Castelo e Região Autónoma dos Açores (-3%, -5% e -48%, respetivamente).

Redes de energia, abastecimento de água e infraestruturas de transportes com mais investimento

As obras relativas à construção de redes de energia, abastecimento de água e a infraestruturas de transportes foram as responsáveis pela parcela mais significativa de investimento contratado em 2017: 713 milhões de euros, ou seja, 40% do total.
Porém, foram as “obras de engenharia civil e construção de estruturas” que registaram uma maior evolução anual, designadamente, 116,0%. As obras relacionadas com os acabamentos em edifícios aumentaram 87% em volume, ocupando o 3º lugar em termos de peso relativo no total do investimento, enquanto os trabalhos relacionados com a “construção de edifícios” cresceram 58%, ocupando o 2º lugar em peso relativo (19% do total).

Contratos para grandes obras foram os que mais cresceram

Os contratos de empreitadas de valores superiores a 16,6 milhões de euros (classe 9) foram os que registaram um crescimento mais intenso em 2017 (+80%), atingindo um montante anual de 100 milhões de euros, o que representou 5,6% do total do investimento público do ano. Em conjunto, as obras de valor individual igual ou superior a 10,624 milhões de euros representaram 12% do investimento total contratado e cresceram 80,4% em termos homólogos, ultrapassando os 217 milhões de euros. Neste caso, destaca-se a empreitada de modernização da linha da Beira Baixa - troço Covilhã-Guarda, que responde por 24% desse montante.
Por outro lado, as obras de menor dimensão (até 664 mil euros) responderam por mais de metade do valor total contratado em 2017 (54% do total), tendo registado um crescimento homólogo de 49%.

Grandes obras quase duplicam valor

Em 2017 foram as obras de maior dimensão que registaram um crescimento mais significativo (96% do total dos concursos lançados de valor igual ou superior a 10,624 milhões de euros), sendo que as obras da classe 8, de valor até 16,6 milhões de euros, foram as que mais cresceram face a 2016: 272%.
A empreitada de valor mais elevado lançada a concurso em 2017 foi a Execução dos Túneis de Drenagem da Cidade de Lisboa e Intervenções Associadas, no montante de 106,3 milhões de euros e da responsabilidade da CML.
Pelo contrário, os concursos de menor valor, até 332 mil euros, foram os que registaram um acréscimo menos significativo, tendo representado menos de 10% do valor total posto a concurso ao longo do ano de 2017.


 

Comentar

Iniciar Sessão

Nome de Utilizador

Palavra-chave

Se não tem conta,

Registe-se aquiEsqueceu-se da palavra-chave?

Comentar este artigo

Título

Texto

Os comentários deste site são publicados após aprovação, pelo pedimos que respeitem os nossos Termos de Utilização.
O seu IP não será divulgado, mas ficará registado na nossa base de dados.
Por favor, não submeta o seu comentário mais de uma vez.