19 / Novembro / 2018

Segunda

Diretor: José Tomaz Gomes | Editor: AECOPS

Notícias ver todas os artigos desta secção

Subida do preço das casas no Centro Histórico de Lisboa desacelera para 5,9%

19 de Março de 2018 às 11:47:22

tamanho da letra:

Notícias

O preço das casas no Centro Histórico de Lisboa aumentou 5,9% no 2º semestre de 2017 face ao semestre anterior, atingindo um novo máximo de €4.472/m2.

A subida semestral registada na última metade de 2017, e apurada pelo Índice de Preços do Centro Histórico de Lisboa (IPCHL), produzido pela Confidencial Imobiliário (Ci), reflete uma queda no ritmo de aumento dos preços, sendo a mais reduzida dos últimos cinco semestres (desde o final de 2015). Tal comportamento influenciou também a valorização homóloga no final de 2017, que apesar de se manter bastante relevante (21,1%), foi menor do que em semestres prévios.
“O ciclo de valorização do preço das casas nesta área acelerou bastante nos últimos anos. Depois de os preços terem atingido o seu ponto mais baixo no 1º semestre de 2013, o mercado teve um crescimento rápido nos preços, tendo chegado a atingir valorizações homólogas de 31% no 1º semestre de 2016”, comenta Ricardo Guimarães, diretor da Ci, acrescentando que “este ritmo acentuado de subida, tendo em conta o patamar de preços entretanto atingido, tenderá naturalmente a suavizar, embora mantendo um percurso de valorização, tal como aconteceu já neste último semestre”.
De acordo com a Ci, o preço das casas vendidas no Centro Histórico de Lisboa cresceu 67% (em termos acumulados) desde 2008 (ano base do Índice). Contudo, no período de três anos compreendido entre o 1º semestre de 2010 e 1º semestre de 2013, o preço das casas nesta área desceu 24,2%, atingindo no final desse período o seu ponto mais baixo. Desde esse mínimo, os preços já recuperaram 110%.
O Índice de Preços do Centro Histórico de Lisboa (IPCHL) recorde-se, é produzido desde 2008 pela Confidencial Imobiliário, em colaboração com a Câmara Municipal de Lisboa, e abrange as freguesias da Misericórdia, Santa Maria Maior e São Vicente, aglomerando o principal eixo de reabilitação urbana em Lisboa e tendo por base os dados dos direitos de preferência de que a Autarquia goza no quadro da ARU respetiva.

Comentar

Iniciar Sessão

Nome de Utilizador

Palavra-chave

Se não tem conta,

Registe-se aquiEsqueceu-se da palavra-chave?

Comentar este artigo

Título

Texto

Os comentários deste site são publicados após aprovação, pelo pedimos que respeitem os nossos Termos de Utilização.
O seu IP não será divulgado, mas ficará registado na nossa base de dados.
Por favor, não submeta o seu comentário mais de uma vez.