17 / Julho / 2018

Terça

Diretor: José Tomaz Gomes | Editor: AECOPS

Notícias ver todas os artigos desta secção

Imóveis até 250 mil euros fora das alterações ao IMI

26 de Outubro de 2016 às 10:34:59

tamanho da letra:

Notícias

A Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa aprovou, a 19 de outubro, uma proposta que limita a alteração aprovada pelo Governo, em agosto, no coeficiente de ‘localização e operacionalidade relativas‘.

Recorde-se que o Decreto-Lei n.º 41/2016, de 1 de agosto, harmonizou os coeficientes de qualidade e conforto relativos à ‘localização e operacionalidade relativas‘ dos prédios destinados à habitação, face aos utilizados nos prédios de comércio, indústria e serviços. A alteração introduzida estabelece que determinadas variáveis, tais como a existência de telheiros, terraços e a exposição solar (orientação da construção), passam a ter um peso maior no cálculo do Valor Patrimonial Tributário (VPT) do imóvel, que é a base de incidência do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI). Nos termos do disposto no referido diploma, a variável de ‘localização e operacionalidade relativas‘, que podia valer até 5% no cálculo do VPT no âmbito do coeficiente de qualidade e conforto, pode agora ter um peso até 20% (enquanto coeficiente majorativo) ou 10% (enquanto coeficiente minorativo).
Esta alteração entrou em vigor no passado dia 2 de agosto, não sem ter provocado muita polémica, pelo que foi pedida a reapreciação parlamentar do diplomam em caus, tendo sido apresentadas várias propostas de alteração.
No dia 19 de outubro, a Comissão Parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa aprovou a proposta do Partido Comunista Português, que recupera o anterior limite de 5% do peso daquela variável na determinação do coeficiente de qualidade e conforto para os imóveis com uma área até 415m2. Na prática, a proposta agora aprovada pretende proteger de um eventual agravamento do IMI, os imóveis que tenham um VPT até 250.245,00 euros (415m2 X 603m2 ).
 “Foi aprovada a iniciativa do PCP para que, em sede de IMI, o coeficiente que tem a ver com as vistas panorâmicas e o sol se mantenha nos 5%. Desta forma, a esmagadora maioria das casas, aquelas que têm um valor até 250 mil euros, não terão qualquer agravamento do IMI por via das vistas panorâmicas ou da exposição solar», explicou Paulo Sá, deputado do PCP, citado pelo Idealista, escreve o ImoJuris, serviço de informação jurídica na área do Direito Imobiliário, gerido pela Vida Imobiliária.
Sobre o valor limite de 250 mil euros, o deputado esclareceu que o cálculo foi feito com base na área do imóvel, fixada até 415m2 na proposta de alteração do PCP, e considerando o valor médio de construção por metro quadrado, em 2016, de 603 euros.
Paulo Sá adiantou ainda que os atuais coeficientes, resultantes da alteração introduzida em agosto, manter-se-ão em vigor para todos os imóveis “até ao dia 31 de agosto” de 2017, data a partir da qual se aplicará a alteração agora aprovada.

Comentar

Iniciar Sessão

Nome de Utilizador

Palavra-chave

Se não tem conta,

Registe-se aquiEsqueceu-se da palavra-chave?

Comentar este artigo

Título

Texto

Os comentários deste site são publicados após aprovação, pelo pedimos que respeitem os nossos Termos de Utilização.
O seu IP não será divulgado, mas ficará registado na nossa base de dados.
Por favor, não submeta o seu comentário mais de uma vez.