21 / Agosto / 2019

Quarta

Diretor: José Tomaz Gomes | Editor: AECOPS

Notícias ver todas os artigos desta secção

FIEC reclama política de 10 passos ao próximo Governo europeu

21 de Maio de 2014 às 15:29:36

tamanho da letra:

Notícias

Face às eleições europeias, a FIEC-Federação da Indústria Europeia da Construção lançou o seu " Manifesto para ação" para o próximo mandato da UE 2014-2019.

"O setor da Construção representa no grupo dos 28 países da União Europeia mais de 9% do PIB, uma produção de cerca de 1.200 biliões de euros, mais de 14 milhões de trabalhadores e 3 milhões de empresas, a maioria das quais PME," e "todos eles estão prontos para trabalhar em conjunto com os parceiros da cadeia de valor, para o desenvolvimento futuro da EU”. A declaração, de Thomas Schleicher, presidente da Federação, precede a apresentação do “Manifesto para ação da FIEC” para o próximo mandato da EU, até 2019, e no qual são identificados os pontos nevrálgicos que permitirão a economia europeia avançar com a ajuda do setor da Construção. 
“A necessidade de investir em infraestruturas de todos os tipos e na eficiência energética dos edifícios, tanto já existentes como novos, torna-se a cada dia mais evidente e urgente", acrescenta o responsável
O Manifesto da FIEC define 10 áreas de ação que, sem eu entender, desempenham um papel fundamental no estabelecimento de um quadro adequado para garantir que o setor de Construção pode realmente ser uma alavanca eficiente para o crescimento e o emprego em todas as partes da indústria da UE, de uma forma sustentável e orientada para o futuro.
Facilitar o investimento e promover o financiamento, assegurar uma concorrência leal e um mercado de trabalho funcional, promover a inovação e construir uma Europa sustentável e energeticamente eficiente são alguns dos aspetos em que decisões políticas e ações consequentes são urgentemente necessárias. "A nossa indústria será capaz de desempenhar um papel decisivo no relançamento do crescimento económico da UE e na criação de postos de trabalho, desde que a UE e os governos nacionais aloquem os recursos necessários para atingir as suas ambições e reduzir as barreiras existentes, bem como os obstáculos burocráticos que ainda atrapalham a atividade das nossas empresas. Algo tem que ser feito, as coisas têm de mudar. Os nossos políticos têm de entender isso", diz Schleicher. "Como representante das nossas afiliadas em toda a UE e aceitando as nossas responsabilidades como parceiro social setorial europeu, estamos ansiosos para colaborar estreitamente com os novos deputados e comissários, a fim de colocar as nossas reivindicações em prática, no interesse de milhões de empresas e trabalhadores", conclui o presidente da FIEC.

Comentar

Iniciar Sessão

Nome de Utilizador

Palavra-chave

Se não tem conta,

Registe-se aquiEsqueceu-se da palavra-chave?

Comentar este artigo

Título

Texto

Os comentários deste site são publicados após aprovação, pelo pedimos que respeitem os nossos Termos de Utilização.
O seu IP não será divulgado, mas ficará registado na nossa base de dados.
Por favor, não submeta o seu comentário mais de uma vez.