18 / Outubro / 2019

Sexta

Diretor: José Tomaz Gomes | Editor: AECOPS

Notícias ver todas os artigos desta secção

AICOPA pretende preços base dos concursos adaptados ao mercado local

02 de Agosto de 2013 às 11:49:51

tamanho da letra:

Notícias

A AICOPA-Associação dos Industriais de Construção Civil e Obras Públicas dos Açores apelou ao Governo regional e aos restantes promotores de obras para elaborarem concursos com preços base mais próximos dos praticados na Região.

Numa nota recentemente distribuída à imprensa, aquela Associação defende que “os preços base a que são lançados os concursos públicos estão na origem da cadeia de valor para a Região Autónoma dos Açores”. No entanto, entende que “a política de preços base não é justa (...) prejudicam a Região, as empresas e, no fim da linha, as famílias”. 
Salientando que as empresas que concorrem a obras públicas dificilmente conseguem  preços  menores ou iguais ao preço base permitido, a AICOPA afirma que aquelas que acabam por ganhar as empreitadas, pelo facto de trabalharem com preços fora de mercado, adjudicam as subempreitadas a empresas de fora da região, com elevados volumes de faturação e com uma capacidade comercial largamente superior aos subempreiteiros regionais.
Esta tendência, acrescenta, implicou que, ao longo dos anos, milhões de euros tenham saído da Região, contribuindo para o crescente desemprego, com consequências nefastas para as empresas e famílias do arquipélago.
Neste contexto e tendo em conta  o novo Quadro Comunitário de Apoio que se avizinha, a Associação pretende que o Governo regional, autarquias e demais promotores de obra assegurem, na elaboração dos concursos, a definição de preços base assentes em estimativas orçamentais orientadas por critérios de consulta ao mercado local. Só assim, sublinha, serão aferidos preços mais próximos dos praticados na Região e garantida a adjudicação de mais subempreitadas a empresas regionais.
A AICOPA acredita que, deste modo, “as empresas de maior dimensão, na Região, ficam com uma maior responsabilidade social em cumprir com a cadeia de valor regional, permitindo mais adjudicações a subempreiteiros da Região. (...) Os fluxos monetários ficarão na região, contribuindo para um maior equilíbrio da balança comercial, o desemprego diminuirá, as empresas entrarão em franca recuperação e as famílias viverão certamente com  melhores condições. Tal, conclui “é de elementar justiça”.

Comentar

Iniciar Sessão

Nome de Utilizador

Palavra-chave

Se não tem conta,

Registe-se aquiEsqueceu-se da palavra-chave?

Comentar este artigo

Título

Texto

Os comentários deste site são publicados após aprovação, pelo pedimos que respeitem os nossos Termos de Utilização.
O seu IP não será divulgado, mas ficará registado na nossa base de dados.
Por favor, não submeta o seu comentário mais de uma vez.