05 / Dezembro / 2019

Quinta

Diretor: José Tomaz Gomes | Editor: AECOPS

Acontecimentos em agenda ver todas os artigos desta secção

Esquissos privados em exposição na Igreja do Mosteiro de Santa Clara-a-Velha

28 de Setembro de 2015 às 14:28:14

tamanho da letra:

Agenda

Onze esquissos privados da autoria de arquitetos de renome internacional vão estar patentes ao público pela primeira vez num espaço de indiscutível valor arquitetónico e artístico: a Igreja do Mosteiro de Santa Clara-a-Velha.

Estes são os ingredientes de uma iniciativa que visa mostrar a importância e repercussão do esquisso nas obras construídas e a sua validação como «utensílio» fundamental no processo criativo do arquiteto. «My Own Private Phosphenes – Patrimónios Imaginados» é o nome da exposição que será inaugurada foi inaugurada no dia 26 de setembro, na Igreja do Mosteiro de Santa Clara-a-Velha.
Adalberto Dias, Álvaro Siza Vieira, António Cerejeira Fontes, Camilo Rebelo, Francisco Vieira de Campos, João Mendes Ribeiro, João Pedro Xavier, José Paulo dos Santos, Raúl Hestnes Ferreira, Spaceworkers e Telmo Castro são os primeiros onze arquitetos retratados nesta ação, co-organizada pela Secção Regional Norte da Ordem dos Arquitectos e pelo Mosteiro de Santa Clara-a-Velha.
Segundo Pedro da Rocha Vinagreiro, responsável pelo Pelouro da Comunicação e Cultura da OASRN, "um dos objetivos desta exposição é mostrar como os arquitetos utilizam o desenho, uma das principais ferramentas utilizadas em arquitetura, na procura de soluções. Não existe uma regra, uma forma de desenhar. Nesta exposição podemos perceber os diferentes estilos dos autores.".
Com curadoria e instalação de Luís Pedro Crisóstomo, «My Own Private Phosphenes – Patrimónios Imaginados» estará patente até 26 de outubro. “Composto por 11 primeiros olhares, é o resultado de pensamentos, conversas, sonhos, mas sobretudo de vivências e experiências várias, de cada interveniente. Pretende fazer-nos viajar ao primordial, onde a escala e o tempo das coisas ainda é mental, com o poder de se contrair ou dilatar. Onde o desenho mais ou menos abstrato pode redimensionar-se num nano-espaço ou num espaço cosmológico indefinido com propriedades de características constantes em qualquer direção. Em simultâneo propomos uma regressão ao momento primeiro, quase infantil, em que pegámos num pau de giz branco e riscámos pela primeira vez a superfície negra e imensa de um quadro de ardósia”, explica o curador.
Até 15 de outubro, a mostra pode ser visitada de terça a sexta, das 10h00 às 19h00, e depois dessa data de terça a sexta, das 10h00 às 18h00. A entrada é paga.


 

Comentar

Iniciar Sessão

Nome de Utilizador

Palavra-chave

Se não tem conta,

Registe-se aquiEsqueceu-se da palavra-chave?

Comentar este artigo

Título

Texto

Os comentários deste site são publicados após aprovação, pelo pedimos que respeitem os nossos Termos de Utilização.
O seu IP não será divulgado, mas ficará registado na nossa base de dados.
Por favor, não submeta o seu comentário mais de uma vez.