24 / Outubro / 2017

Terça

Diretor: José Tomaz Gomes | Editor: AECOPS

Economia ver todas os artigos desta secção

Imobiliário dinamiza Construção

27 de Junho de 2017 às 11:43:18

tamanho da letra:

Economia

Segundo os dados das Contas Nacionais Trimestrais relativas ao primeiro trimestre de 2017, o setor da Construção está finalmente a recuperar dos mínimos que se registaram no passado recente.

Assim, segundo o INE, o Investimento em Construção registou um crescimento, em termos homólogos, de 8,5%, o mais intenso dos últimos 60 trimestres (15 anos). Também o Valor Acrescentado Bruto da Construção evoluiu, em termos homólogos, a uma taxa, +7,4%, o que não se verificava há 66 trimestres consecutivos (16,5 anos), indiciando que, embora mantendo-se o volume de produção em níveis ainda muito anémicos, se está a iniciar um novo ciclo de crescimento da Construção.
O mercado imobiliário residencial tem sido, incontestavelmente, um dos responsáveis pela recuperação da atividade do setor da Construção. Verificou-se um crescimento de 59% em 2016 no número de transações de fogos, face ao valor médio apurado no triénio 2012 a 2014, de acordo com os dados disponibilizados pelo INE. Na verdade, de uma média de cerca de 80 mil fogos/ano nesse período, ultrapassou-se os 127 mil fogos vendidos, só em 2016. Deste último total, mais de 83% (105,5 mil fogos) corresponderam a transações de habitações já existentes (não novas), estimulando a atividade no segmento da reabilitação residencial.
Em valor a recuperação é ainda mais intensa, tendo rondado os 15 mil milhões de euros em 2016, quase o dobro do valor das vendas apurado quatro anos antes, com o peso do montante das transações de fogos já existentes a representar mais de 77% do total. De notar que a evolução do preço médio por fogo tem revelado comportamentos distintos, entre fogos novos e fogos já existentes, com o primeiro a decrescer ao longo dos três últimos anos (de 165 mil euros/fogo em 2014 para 157 mil euros/ fogo em 2016), enquanto o preço médio dos fogos já existentes tem revelado um crescimento constante (de 86 mil euros/fogo em 2012 para 108 mil euros/fogo em 2016). Esta dinâmica tem arrastado o volume de licenciamento de novos fogos habitacionais, que registou, nos primeiros 4 meses de 2017, um acréscimo de 34% em termos homólogos, depois de uma evolução de +38% em 2016.
Este dinamismo do mercado imobiliário é relevante para o bom desempenho do setor da Construção e da economia portuguesa.

Comentar

Iniciar Sessão

Nome de Utilizador

Palavra-chave

Se não tem conta,

Registe-se aquiEsqueceu-se da palavra-chave?

Comentar este artigo

Título

Texto

Os comentários deste site são publicados após aprovação, pelo pedimos que respeitem os nossos Termos de Utilização.
O seu IP não será divulgado, mas ficará registado na nossa base de dados.
Por favor, não submeta o seu comentário mais de uma vez.